ALBUM REVIEW: "Montero" (2021) - Lil Nas X

in Musicforlife 🎶2 years ago (edited)

This publication was also written in SPANISH and PORTUGUESE.

montero01.jpg

People

There are those who agree and disagree about the fact that the young Montero Lamar Hill (now known as Lil Nas X in the eyes of the phonographic world) is one of the most influential rappers in the current music scene, however, one fact is notorious: the presence increasingly massive (and sometimes even "annoying" because of some stupid, nonsensical polemics) within the media and all of its engagement with queer audiences. Being one of the representatives, and defender of minorities, the 22-year-old arrived making noise with his first album (Montero) and the end result is not something as grandiose as many people were contemplating before it came to life.

Betting on a good dose of charisma, the singer enters the jungle of the world of rappers through the front door and does it in a "controversial" way (at least for traditional American rappers) by mixing Rap and Pop inside a "color bubble" that is not well regarded within a prejudiced market. A desire to show a new side of this musical genre is born with this album, but it will certainly, consistently, face many challenges before it is recognized as something "necessary" within this musical society, and it will be a long journey for this type of music to be recognized with the respect and attention it deserves.

Personally speaking, I don't really like Rap, but considering all the repercussions that Lil Nas X has caused, and is still causing in the media, I confess that I was curious to hear this album and did it just now. I didn't regret the time spent listening to it (until then I hadn't heard any music by this singer), but I wouldn't do it again because I found a relatively genetic sound, which bets on some "raw" moments, to exalt the trajectory of the singer's life amidst his insecurities, successes and hopes (because he's black and gay), packing it all up inside a "shiny package" to attract a little more attention.

Perhaps the greatest success of this work is the fact that it combines your more emotional side with a level where eclecticism gains space within an approach that, despite sometimes sounding like something repetitive, goes to the point of convergence of the project in a way forceful. The album's concept is well defined and brings from all sides an atmosphere of "innovation" (although it doesn't happen that often) that screams at the audience to accept this new musical path that is emerging. The mix of Rap and Pop (it can work in reverse order too) has never sounded as challenging as it does now and this will draw more attention to the project.

montero02.jpg

Highsnobiety

It's not difficult to notice how well worked this album was, which has an unusual light for this type of sound, and brings in parallel many reflective aspects that are essential for a better experience within modern society and politics of "good manners". Despite wanting to do this in a very "fuzzy" way, maybe the eyes for this young man will continue to be crooked for a while... However, resisting the "traditional sameness" of the market and betting on the talent he has (something that still needs to mature a lot, but that's there), he's likely to have a successful musical future over the years within this "brutal jungle".

The "genre expansion" banner that the singer raises brings a refreshing approach to a theme that is still seen as a major taboo in most parts of the world. So, considering this fight scenario, where the music plays the protagonist role (because it has a more democratic sound range, and which can reach everyone's ears with less difficulty), the rapper manages to do something very honest (the mixture of love , solitude and the search for recognition works perfectly in the project proposal), and which will certainly have a much bigger impact on the next generation of children, teenagers and adults who are about to blossom.

In a parade of well-produced songs, names like Megan Thee Stallion, Elton John, Miley Cyrus, Doja Cat and Jack Harlow help to give more weight and relevance to the album, which is creative but not so original as to become such a grand musical debut. However, far from being a bad thing, it is a well-planned self-identity project, but not the "magic touch" it was promising before it was released and this will certainly frustrate people who were really hoping for something "noisier" and "voracious" because this is a promise that is never fully delivered to the public (despite occasional moments).

Montero is a versatile album, focused on talking about themes that are mandatory (in particular, within music scenarios where prejudice is still very high) and technically well worked. I don't see any commercial prominence between the songs (despite recognizing the potential of some of them), but the lyrics have their own merits for being "audacious" in the midst of so much sameness and even though the vocal part is not strong and striking, there is a inner strength that is fighting to be unleashed on the next few albums, which can, and certainly will, be even bolder than this first attempt. Good luck, Lil Nas X... You're gonna need it.


CRÍTICA DE DISCO: "Montero" (2021) - Lil Nas X

Hay quienes están de acuerdo y en desacuerdo sobre el hecho de que el joven Montero Lamar Hill (ahora conocido como Lil Nas X a los ojos del mundo fonográfico) es uno de los raperos más influyentes en el panorama musical actual, sin embargo, un hecho es notorio: la presencia cada vez más masiva (ya veces incluso "molesta" debido a algunas polémicas estúpidas y sin sentido) dentro de los medios y todo su compromiso con la audiencia queer. Siendo uno de los representantes, y defensor de las minorías, el joven de 22 años llegó haciendo ruido con su primer disco (Montero) y el resultado final no es algo tan grandioso como muchos contemplaban antes de que cobrara vida.

Apostando por una buena dosis de carisma, el cantante se adentra en la jungla del mundo de los raperos por la puerta principal y lo hace de manera "polémica" (al menos para los raperos tradicionales estadounidenses) mezclando Rap y Pop dentro de una "burbuja de color" que no está bien considerada dentro de un mercado perjudicado. Con este disco nace el deseo de mostrar una nueva faceta de este género musical, pero sin duda se enfrentará constantemente a muchos desafíos antes de que sea reconocido como algo "necesario" dentro de esta sociedad musical, y será un largo camino para este tipo de música para ser reconocida con el respeto y la atención que se merece.

Personalmente hablando, no me gusta mucho el Rap, pero considerando todas las repercusiones que Lil Nas X ha causado, y sigue causando en los medios, confieso que tenía curiosidad por escuchar este disco y lo hice justo ahora. No me arrepiento del tiempo que pasé escuchándolo (hasta entonces no había escuchado música de este cantante), pero no lo volvería a hacer porque encontré un sonido relativamente genético, que apuesta por algunos momentos "crudos". , para exaltar la trayectoria de la vida del cantante en medio de sus inseguridades, éxitos y esperanzas (porque es negro y gay), empacándolo todo dentro de un "paquete brillante" para atraer un poco más la atención.

Quizás el mayor acierto de este trabajo sea el hecho de que combina tu lado más emocional con un nivel donde el eclecticismo gana espacio dentro de un planteamiento que, a pesar de que a veces suena a algo repetitivo, llega al punto de convergencia del proyecto de una manera contundente. El concepto del disco está bien definido y trae por todos lados una atmósfera de "innovación" (aunque no ocurre tan a menudo) que grita al público que acepte este nuevo camino musical que está emergiendo. La combinación de Rap y Pop (también puede funcionar en orden inverso) nunca ha sonado tan desafiante como ahora y esto atraerá más atención al proyecto.

No es difícil notar lo bien trabajado que estuvo este disco, que tiene una luz inusual para este tipo de sonido, y trae en paralelo muchos aspectos reflexivos que son fundamentales para una mejor experiencia dentro de la sociedad moderna y la política de "buenos modales". A pesar de querer hacer esto de una manera muy "difusa", quizás los ojos de este joven sigan torcidos por un tiempo... Sin embargo, resistiendo la "igualdad tradicional" del mercado y apostando por el talento que tiene ( algo que todavía necesita madurar mucho, pero eso está ahí), es probable que tenga un futuro musical exitoso a lo largo de los años dentro de esta "jungla brutal".

La bandera de "expansión de género" que levanta la cantante aporta un enfoque refrescante a un tema que todavía se considera un tabú importante en la mayor parte del mundo. Entonces, considerando este escenario de lucha, donde la música juega el papel de protagonista (porque tiene un rango sonoro más democrático, y que puede llegar a los oídos de todos con menos dificultad), el rapero logra hacer algo muy honesto (la mezcla del amor, la soledad y la búsqueda de reconocimiento funciona perfectamente en la propuesta del proyecto), y que sin duda tendrá un impacto mucho mayor en la próxima generación de niños, adolescentes y adultos que están a punto de florecer.

En un desfile de canciones bien producidas, nombres como Megan Thee Stallion, Elton John, Miley Cyrus, Doja Cat y Jack Harlow ayudan a darle más peso y relevancia al álbum, que es creativo pero no tan original como para convertirse en un gran éxito. debut musical. Sin embargo, lejos de ser algo malo, es un proyecto de identidad propia bien planificado, pero no el "toque mágico" que prometía antes de su lanzamiento y esto ciertamente frustrará a las personas que realmente esperaban algo "más ruidoso" "y "voraz" porque esta es una promesa que nunca se entrega completamente al público (a pesar de los momentos ocasionales).

Montero es un disco polivalente, centrado en hablar de temas que son obligatorios (en particular, dentro de escenarios musicales donde el prejuicio sigue siendo muy alto) y técnicamente bien trabajados. No veo ningún protagonismo comercial entre las canciones (a pesar de reconocer el potencial de algunas de ellas), pero la letra tiene sus propios méritos por ser "audaces" en medio de tanta similitud y aunque la parte vocal no es fuerte y llama la atención, hay una fuerza interior que está luchando por desatarse en los próximos discos, que puede, y seguramente será, incluso más audaz que este primer intento. Buena suerte, Lil Nas X... Lo necesitarás.


CRÍTICA DE ÁLBUM: "Montero" (2021) - Lil Nas X

Há quem concorde e discorde sobre o fato do jovem Montero Lamar Hill (agora conhecido por Lil Nas X aos olhos do mundo fonográfico) ser um dos rappers mais influentes no cenário musical atual, no entanto, um fato é notório: a presença cada vez mais massiva (e às vezes até "irritante" por causa de algumas polêmicas estúpidas, e sem sentido) dentro da mídia e todo o engajamento dele com o público queer. Sendo um dos representantes, e defensor das minorias, o jovem de 22 anos chegou fazendo barulho com o seu primeiro álbum (Montero) e o resultado final não é algo assim tão grandioso como muitas pessoas estavam cogitando antes dele ganhar vida.

Apostando em uma boa dose de carisma, o cantor entra na selva do mundo dos rappers pela porta da frente e faz isso de uma maneira "polêmica" (pelo menos para os rappers americanos tradicionais) ao fazer uma mistura de Rap e Pop dentro de uma "bolha colorida" que não é bem vista dentro de um mercado preconceituoso. Um desejo de mostrar um novo lado desse gênero musical nasce com esse álbum, mas ele certamente irá enfrentar, consistentemente, muitos desafios até ser reconhecido como algo "necessário" dentro dessa sociedade musical, e será uma longa jornada até que esse tipo de música seja reconhecido com o respeito e a atenção que merece.

Particularmente falando, eu não gosto muito de Rap, mas considerando todas as repercussões que Lil Nas X causou, e ainda está causando na mídia, eu confesso que fiquei curioso para ouvir esse álbum e o fiz agora pouco. Não me arrependi do tempo gasto para ouvi-lo (até então eu não tinha ouvido nenhuma música desse cantor), mas não o faria novamente porque eu achei um som relativamente genético, que aposta em alguns momentos "crus", para exaltar a trajetória de vida do cantor em meio as suas inseguranças, sucessos e esperanças (por ser negro e gay), empacotando tudo isso dentro de uma "embalagem reluzente" para atrair um pouco mais de atenção.

Talvez o grande acerto desse trabalho, seja o fato dele combinar o seu lado mais emocional com um nível onde o ecletismo ganha espaço dentro de uma abordagem que, apesar de às vezes soar como algo repetitivo, vai ao ponto de convergência do projeto de uma maneira contundente. O conceito do álbum é bem definido e traz de todos os seus lados, uma atmosfera de "inovação" (embora isso não aconteça tão frequentemente) que grita ao público que aceite esse novo caminho musical que está surgindo. A mistura de Rap e Pop (pode funcionar com a ordem inversa também) nunca soou tão desafiadora quanto agora e isso atrairá mais atenção para o projeto.

Não é difícil notar o quanto bem trabalhado foi esse álbum, que tem uma luz incomum para esse tipo de som, e traz em paralelo muitos aspectos reflexivos que são essenciais para uma melhor vivência dentro da sociedade e política moderna dos "bons costumes". Apesar de querer fazer isso de um jeito bastante "espalhafatoso", talvez os olhares para esse jovem continuem sendo tortos por mais algum tempo... No entanto, resistindo a "mesmice tradicional" do mercado e apostando no talento que ele tem (algo que ainda precisa amadurecer muito, mas que está lá), é provável que ele tenha um futuro musical de sucesso ao longo dos anos dentro desta "selva brutal".

A bandeira de "expansão de gênero" que o cantor levante traz uma abordagem refrescante para um tema que é ainda visto como um grande taboo na maior parte do mundo. Então, considerando esse cenário de luta, onde a música interpreta o papel de protagonista (por ter uma amplitude sonora mais democrática, e que pode chegar aos ouvidos de todos com menos dificuldade), o rapper consegue fazer algo muito honesto (a mistura de amor, solidão e busca por reconhecimento funciona perfeitamente na proposta do projeto), e que certamente terá um impacto muito maior na próxima geração de crianças, adolescentes e adultos que estão prestes a desabrochar.

Em um desfile de músicas bem produzidas, nomes como Megan Thee Stallion, Elton John, Miley Cyrus, Doja Cat e Jack Harlow ajudam a dar mais peso e relevância para o álbum, que é criativo, mas não é tão original ao ponto de se tornar uma estreia musical tão grandiosa. No entanto, bem longe de ser algo ruim, é um projeto de identidade própria bem planejado, mas que não o "toque mágico" que estava prometendo antes de ser lançado e isso certamente irá frustrar as pessoas que realmente estavam esperando por algo mais "barulhento" e "voraz" porque essa é uma promessa que nunca é entregue ao público por completo (apesar de momentos pontuais).

Montero é um álbum versátil, concentrado em falar sobre temas que são obrigatórios (em especial, dentro dos cenários musicais onde o preconceito ainda é muito grande) e tecnicamente bem trabalhado. Não vejo nenhum destaque comercial entre as músicas (apesar de reconhecer o potencial de algumas delas), mas as letras tem os méritos próprios por serem "audaciosas" no meio de tanta mesmice e mesmo que a parte vocal não seja forte e marcante, existe uma força interna que está brigando para ser desencadeada nos próximos álbuns, que podem, e certamente serão, ainda mais ousados do que essa primeira tentativa. Boa sorte, Lil Nas X... Você precisará.


Posted via MusicForLife.io

Sort:  


The rewards earned on this comment will go directly to the person sharing the post on Twitter as long as they are registered with @poshtoken. Sign up at https://hiveposh.com.

Hi! Keep those album reviews coming, HQ content! I'm working on building a nice stack of VIBES on this account, so happy to upvote your posts!


Posted via MusicForLife.io

Thanks, @okean123.vibes.

I'm gonna definitely continue writing and posting more album reviews soon.

Nice review, didn’t know the album was out. I guess I will have to listen to it now

Thanks.

Do it, @readthisplase... Because it's worth it.

Yay! 🤗
Your content has been boosted with Ecency Points, by @wiseagent.
Use Ecency daily to boost your growth on platform!

Support Ecency
Vote for Proposal
Delegate HP and earn more

Interesting review. I made one myself but only of the Montero song and video. Maybe I gonna hear the whole album too. Thanks :D

Do it, @chentebass. If you liked the music video... So, I guess you're gonna also like the album.